sexta-feira, 30 de janeiro de 2015

SDL Trados Studio, "pano de fundo" numa conferência realizada na Universidade Nova de Lisboa

 
No dia 22 de Janeiro, na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, teve lugar uma conferência para tradutores e estudantes de tradução, tendo como tema principal a operatividade do SDL Trados Studio.

Durante a manhã foi feita uma demonstração, por duas alunas de mestrado e respectivo professor David Hardisty, do funcionamento de um sistema de reconhecimento de voz em Português utilizando um Mac e a sua componente de reconhecimento de voz (OS X Yosemite), permitindo o uso simultâneo de uma CAT como o Trados ou o memoQ. Traduzir, ditando, é uma técnica utilizada por muitos tradutores, contudo o usufruto desta tecnologia encontra-se limitado à existência, ou não, do idioma pretendido.

Após a pausa do almoço foi tempo de continuar a falar do Trados Studio e das suas características tendo sido apresentadas várias soluções, utilizando o Trados Studio, para resolver desafios com que os tradutores se deparam constantemente. Através da funcionalidade AutoSuggest que existe no Trados desde 2009 foi feita uma contagem de palavras e posterior análise da mesma. Alguns dos recursos disponíveis em SDL OpenExchange também foram alvo de atenção por parte de Paul Filkin, que elucidou muitos dos presentes sobre a existência e respectivas funcionalidades destes recursos de acesso livre para utilizadores do Trados Studio.

No final, foi a vez de falar sobre a interoperabilidade entre diferentes sofwares. Kevin Lossner, deu a voz ao sentido de trabalhar o melhor possível com apenas uma ferramenta CAT, operando-a com agilidade de forma a receber e enviar trabalho de e para diferentes CAT's, ao mesmo tempo que o tradutor consegue manter, ou até aumentar, a sua produtividade. Foram exemplificados os pontos fortes do Trados e do memoQ e os aspectos menos positivos de ambas as ferramentas, assim como truques sobre mesmas.

Foi um dia repleto de aprendizagens onde tradutores experientes, agências de tradução e estudantes da área solucionaram dúvidas e trocaram ideias, existindo no ar uma constante atmosfera de interoperabilidade. Pelo que sei, mais actividades do mesmo âmbito surgirão num futuro próximo que serão aqui anunciadas com a devida antecedência.

CCM


terça-feira, 13 de janeiro de 2015

Infix para editar PDF

Quando o cliente envia os ficheiros para traduzir em formato PDF nem sempre o tradutor tem perante si uma tarefa fácil. Estes podem conter imagens, gráficos, texto em diferentes cores, entre outras particularidades que muitas vezes não permitem um correcto funcionamento do OCR. Ao tentar importar o mesmo para a sua CAT poderá ser confrontado com muitos erros diferentes que irão dificultar, senão tornar impossível, a tarefa do tradutor.

Um programa que o poderá ajudar a editar PDFs e que permite importar os mesmos directamente para a sua ferramenta CAT é o Infix, poderão ler mais informações a até solicitar uma licença gratuita em: http://www.iceni.com/pt/.

No documento que aqui serve de exemplo, o fundo apresenta diferentes cores assim como o texto e parte deste encontra-se escrito a branco.

Depois de ter o Infix instalado no seu computador deverá abrir o mesmo e em seguida abrir o documento que pretende editar. No inicio, o Infix irá exibir uma janela que lhe permite escolher o modo em que quer trabalhar, recomendo a escolha do "Modo Profissional" por permitir um maior leque de opções.

 Com o documento aberto deverá ir a Documento > Traduzir > Exportar p/ CAT.


O Infix irá abrir uma janela que lhe permitirá importar todo o documento, algumas páginas do mesmo ou apenas uma das páginas.



A formatação pré-definida em que irá gerar um documento XML simples é a indicada para trabalhar na sua CAT, clique em OK e escolha o local onde vai guardar o XML no seu computador. Ao executar este procedimento irá surgir uma janela para indicar como pretende guardar as alterações do documento, a versão gratuita irá guardar o documento com uma marca d'água nas páginas que forem editadas com o Infix.

Com a sua ferramenta CAT aberta e com o projecto criado, ao selecionar na janela supra-citada a opção pretendida, o documento será importado para a mesma.

Ao importar para a ferramenta memoQ apenas necessitará de clicar em OK visto que os filtros estão padronizados de acordo com o pretendido. 



É só começar a trabalhar!

CCM